Vira o disco e toca o mesmo…

A propósito da 2ª Presidência Aberta à União das Freguesias de Almargem do Bispo, Pero Pinheiro e Montelavar...
 
Parece ser este o mote que melhor encaixa na reedição das Presidências Abertas, lançadas por iniciativa do Presidente da Câmara Municipal de Sintra em 2014.

Se o objectivo anunciado era o da identificação dos problemas nas diferentes freguesias para conjugar esforços e vontades e imprimir maior celeridade à sua resolução, aquilo que a prática vem demonstrando é que, criadas aos fregueses legítimas expectativas, sobra da 1ª para a 2ª ronda uma mais que legítima deceção!

Por aquilo que se prometeu e se tarda a cumprir, pelas desculpas recauchutadas uma e mais vezes, pela pretensão a uma pseudo-eficácia que se descobre afinal estar atacada de inércia!

Para hoje foi marcada a 2ª Presidência Aberta à União das Freguesias de Almargem do Bispo, Pero Pinheiro e Montelavar.

É caso para dizer que “Vira o disco e toca o mesmo”.

Desde os gritantes problemas ao nível da saúde, que motivaram já, há uns meses atrás, acesa manifestação dos fregueses clamando por novo Centro de Saúde na ex-freguesia de Almargem do Bispo, até aos higieno-sanitários, já que as questões dos esgotos e da ETAR de Cortegaça continuam por resolver e sem data prevista de concretização no horizonte, passando pela insistência na inominável exclusão dos eleitos pelo Movimento “Sintrenses com Marco Almeida” do grupo de trabalho organizado para o efeito e pelo cancelamento com apenas algumas horas de antecedência da reunião marcada para a tarde deste dia, com os diferentes representantes das instituições e empresas da União de Freguesias e para a qual tinham sido oportunamente convidados, o que sobressai é desrespeito!

Pelos fregueses em particular e pelos munícipes em geral!

Fins eleitoralistas e demagogia quanto baste terão movido quem insiste nesta fórmula de governação que em vez de aproximar e de promover a participação cívica e a expressão da livre cidadania, cria distância, avoluma a descrença e cimenta a desconfiança.

De deceção em deceção, até à sua capitulação final, há-de ensinar a este executivo municipal o valor do respeito que os Sintrenses merecem!

Movimento Independente Autárquico
“Sintrenses com Marco Almeida”

Sintra, 25 de setembro de 2015

TOPO